Sistema de monitoramento de temperatura corporal para atividades com exposição ao frio artificial controlado

Fabiano Takeda, Antonio Renato Pereira Moro, Saulo Guths

Resumo


O objetivo desse estudo foi utilizar um sistema completo para avaliar as condições ambientais e o desconforto térmico dos trabalhadores com exposição a baixas temperaturas artificiais. O sistema proposto consiste em uma rede de sensores sem fio (WSN) usando a tecnologia Zigbee, fornecendo um conjunto de sensores para medir simultaneamente a temperatura corporal em diferentes regiões do corpo de trabalhadores expostos a baixas temperaturas e para medir as condições ambientais que influenciam na avaliação de desconforto térmico. Os dados foram coletados por um módulo USB Zeegbee conectado a um PC com Windows e os resultados são gravados e exibidos em tempo real. O estudo foi realizado com avaliações em 153 trabalhadores de linha de corte de um frigorifico de abate e cortes de frangos. O sistema apresentado foi comprovado como uma maneira fácil e rápida para instalar e confiável para avaliar a exposição ao frio artificial. Os resultados mostraram que apesar da atividade representar um PMV adequado, atendimento aos critérios legais e normativos nacionais, os resultados do dedo da mão e do hálux apresentam condições de frio e dor durante quase toda jornada de trabalho.

Palavras-chave


Frio. Monitoramento de temperatura. ISO 7730/05.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ACGIH - American Conference of Industrial Hygienists (ACGIH). Limites de exposição ocupacional (TLVs) para substâncias químicas e agentes físicos & Índices biológicos de exposição (BEIs). Tradução: Associação Brasileira de Higienistas Ocupacionais (ABHO), 2015.

CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. Decreto Lei 5452/43. Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil: Artigo 253, § 1 Brasília(DF): Senado;

ASHRAE 55. Thermal environmental conditions for human occupancy. American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers Inc., 1791 Tullie Circle, NE, Atlanta, GA 30329, 2013.

BRAZILIAN POULTY ASSOCIATION. Poultry Industry. 2015.https://www.brazilianchicken.com.br (Acessado em: 25/Out/2017).

FANGER, Povl Ole. Thermal comfort: analysis and applications in environmental engineering. New York: McGraw-Hill Book Company; 1970.

GÜTHS, Saulo et al. Body Temperature Monitoring System for Slaughterhouse Workers. Advances In Intelligent Systems And Computing, [s.l.], p.96-105, 11 jun. 2017. Springer International Publishing. http://dx.doi.org/10.1007/978-3-319-60011-6_10

HARMSE, Johannes; ENGELBRECHT, Jacobus; BEKKER, Johan. The impact of physical and ergonomic hazards on poultry abattoir processing workers: a review. International Journal Of Environmental Research And Public Health, [s.l.], v. 13, n. 12, p.197-221, 6 fev. 2016. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/ijerph13020197

HOLMÉR, Ingvar. Evaluation of thermal stress in cold regions: a strain assessment strategy. In: International symposium on problems with cold

work, 1, 1997, Solna. Proceedings. Solna: National Institute for Working Life, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Base de dados agregados (SIDRA) Pesquisa Trimestral do Abate de Animais (2016). Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?c=1093&z=t&o=24. (Acesso em: 16 out. 2017).

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 7730. Ergonomics of the Thermal Environment - Analytical Determination and Interpretation of Thermal Comfort Using Calculation of the PMV and PPD Indices and Local Thermal Comfort. Geneva Switzerland, 2005.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 8996. Ergonomics of the thermal environment – Determination of metabolic rate. Geneva, Switzerland, 2004.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 11079. Ergonomics of the thermal environment - Determination and interpretation of cold stress when using required clothing insulation (IREQ) and local cooling effects. Geneva: International Standards Organisation, 2007.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 9920. Ergonomics of the thermal environment - Estimation of the therm insulation and water vapour resistance of a clothing ensemble. Geneva, Switzerland, 2007.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 13732-3. Ergonomics of the thermal environment — Methods for the assessment of human responses to contact with surfaces — Part 3: Cold surfaces. Geneva: International Standards Organisation; 2005.

LEHMUSKALLIO, Eero; HASSI, Juhani; KETTUNEN, Päivi. The skin in the cold. International Journal Of Circumpolar Health, [s.l.], v. 61, n. 3, p.277-286, set. 2002. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.3402/ijch.v61i3.17475.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. NR 09: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 77 ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. NR 29: Segurança e Saúde no Trabalho Portuário. 77 ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. NR 36: Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados. 77 ed. São Paulo: Atlas, 2016.

OLIVEIRA, Paulo Antonio Barros; MENDES, Jussara Maria Rosa. Processo de trabalho e condições de trabalho em frigoríficos de aves: relato de uma experiência de vigilância em saúde do trabalhador. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 19, n. 12, p.4627-4635, dez. 2014. FapUNIFESP

(SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141912.12792014.

PIEDRAHITA, Hugo. Perception of musculoskeletal symptoms in cold-exposed and non-cold exposed workers. Department of Human Work Sciences, Division of Industrial Ergonomics, p. 1–56, 2003.

Portaria nº 210 de 10/11/1998. Dispõe sobre o regulamento técnico da inspeção tecnológica e higiênico-sanitária de carnes de aves. Diário Oficial da União, Brasília, 26 nov. 1998.

RAMOS, Eliane et al. Thermographic Analysis of the Hands of Poultry Slaughterhouse Workers Exposed to Artificially Cold Environment. Procedia Manufacturing, [s.l.], v. 3, p.4252-4259, 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.promfg.2015.07.408.

ROSÂNGELA, Buzanello Márcia; PEREIRA, Moro Antônio Renato. Slaughterhouse workers exposed to cold: proposal of reference thermography values for hands. Work, [s.l.], v. 41, n. 1, p.2876-2881, 2012. IOS Press. http://dx.doi.org/10.3233/WOR-2012-0537-2876.

ROSSI, Elisabeth Zumira. Reabilitação e reinserção no trabalho de bancários portadores de LER/DORT : análise psicodinâmica. 2008. 270 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós Graduação em Psicologia Social do Trabalho e das Organizações, Psicologia, Universidade de Brasília, Brasilia, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

SALIM, Celso Amorim. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo em Perspectiva, [s.l.], v. 17, n. 1, p.11-24, mar. 2003. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0102-88392003000100003.

SIMÕES, Ana Leda Bertoncini; MARTINO, Milva Maria Figueiredo de. Variabilidade circadiana da temperatura oral, timpânica e axilar em adultos hospitalizados. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, [s.l.], v. 41, n. 3, p.485-491, set. 2007. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0080-62342007000300020




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v19i1.3192

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com